terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

 ESPARTA: UM ESTADO MILITAR


 Para veres melhor, "clica" sobre as imagens
 Rio Eurotas                                                            Mapa do Peloponeso/ Esparta                         Cordilheira do Taígeto
 (a fotografia do Taígeto foi retirada daqui, onde podes ver mais fotografias. Clica sobre o sublinhado)

Esparta está situada no alto vale do rio Eurotas. (…) Foi, outrora, a mais poderosa cidade helénica. Não eram, porém, as muralhas que constituíam a sua força – pois Esparta não as tinha –, mas sim a coragem e a unidade dos seus cidadãos. (…)

1. a sociedade
Os Espartanos reservaram para si o rico vale do Eurotas e dividiram-no em parcelas iguais, que não podiam ser mais divididas; quando um homem tinha mais de um filho, todos eles herdavam do domínio indiviso. (…)
O Espartano não se preocupava com trabalhar a sua terra. O trabalho necessário à sua manutenção e à da sua família estava reservado aos hilotas. Tem-se dito que os hilotas eram escravos; mas não o eram, de facto, no sentido habitual do termo. É verdade que cada hilota tinha um senhor, mas este senhor não era o seu possuidor; o senhor não podia vender o hilota, expulsá-lo, matá-lo ou maltratá-lo; também não podia libertá-lo Com efeito, os hilotas eram propriedade da nação, uma espécie de servos do Estado, postos à disposição de particulares para o trabalho da terra. O hilota não estava ligado a um proprietário mas, à terra. Não podia deixar a terra, mas também não podia ser dela expulso. A sua sorte era nitidamente melhor que o do escravo. Podia possuir a sua casa, viver com a sua família no pedaço de terra que era encarregado de cultivar, mas todos os anos era obrigado a fornecer ao proprietário uma determinada quantidade de trigo, vinho e azeite.
Têm-se escrito terríveis relatos sobre a crueldade dos espartanos para com os hilotas. Estes seriam, por exemplo, forçados a embriagar-se, para que isso servisse de lição de continência para os jovens espartanos; de tempos a tempos organizar-se-iam, também, caçadas em que o hilota era a caça. Não há dúvida de que os espartanos tratavam os seus subordinados com crueldade e dureza – mostravam, aliás, a mesma dureza para consigo próprios. (…)
O espartano considerava o artesanato e o comércio indignos de si, exactamente como o trabalho da terra. A lei proibia-lhe formalmente ganhar a vida com o seu trabalho; devia consagrar-se inteiramente à actividade das armas e à política. Eram os periecos que exerciam as funções de artífices e de mercadores. No entanto, o comércio limitava-se quase por completo à província da Lacónia, baseando-se na troca directa, sendo o dinheiro quase desnecessário.

2. a educação
 As leis e a organização social de Esparta tinham como finalidade criar guerreiros: o Estado dispunha do jovem espartano desde o dia do seu nascimento. Quando uma criança nascia, os pais apresentavam-na a funcionários que avaliavam se a robustez do recém-nascido valia o esforço que a sua educação exigiria. Se não valesse, a criança seria abandonada no Taígeto.
Aos sete anos, o rapaz era retirado aos pais, para que estes o não estragassem com mimos. O Estado encarregava-se, então, da sua educação. As crianças eram agrupadas sob as ordens de homens novos e hábeis. Deveriam exercitar-se todos os dias na luta, na natação, nas corridas, no lançamento do dardo e noutros desportos que preparassem para o combate. Logo que se oferecia a oportunidade, esses homens levavam os rapazes a lutar uns com os outros. Estes deviam treinar-se e suportar a dor, a fome e o frio sem o menor queixume. Não usavam sapatos, a fim de endurecerem os pés. Todos os dias do ano eram obrigados a nadar no Eurotas. Não andavam mais agasalhados no Inverno do que no Verão. Mais tarde levavam-nos, uma vez por ano, perante o altar de Artemisa para lhes baterem até fazer sangue; não foram poucos os jovens espartanos que morreram sem um queixume, sob o chicote. Os jovens recebiam uma alimentação muito simples e quase sempre insuficiente, mas estavam autorizados a roubar para matarem a fome. Quem fosse apanhado em flagrante delito de roubo era sovado – não por causa do roubo, mas por se ter deixado apanhar. Este método pretendia ensinar aos rapazes a manha e os estratagemas engenhosos que lhes viriam a ser necessários quando tivessem que combater.
A educação intelectual do jovem espartano compreendia um pouco de leitura e de escrita. Mas ele aprendia sobretudo a “dizer muita coisa em poucas palavras”. Ainda hoje se chama lacónico a este modo de falar. Existem vários exemplos célebres de respostas lacónicas. Um ateniense que ridicularizava os Espartanos por causa das suas espadas curtas ouviu como resposta: «Têm o comprimento suficiente para atingir os nossos inimigos.» Filipe da Macedónia, que queria submeter toda a Grécia, disse um dia ao embaixador de Esparta: «Se eu entrar em Esparta, não deixarei pedra sobre pedra.» «Sim», respondeu o espartano, «se…»

3. o dia-a-dia
 O espartano de 20 anos era considerado apto a pegar em armas. Começava nessa altura a sua educação militar; o serviço militar só terminava aos 60 anos. Os jovens eram educados em grupo. Do mesmo modo, os homens viviam em tendas, em grupos de 15. Segundo o modo de ver espartano, os homens casados pertenciam ao Estado antes de pertenceram à sua família. Viviam juntos em campos de tendas e aí tomavam as suas refeições, famosas pela sua frugalidade. O célebre “caldo negro” era feito com toucinho, sangue, vinagre e sal. Todas as actividades dos espartanos convergiam para um único fim: estarem prontos para a guerra. A sua cidade era um campo militar. Os próprios prazeres eram de natureza bélica. A única distracção que se podiam permitir era a caça.
Um treino tão severo fez dos espartanos os melhores soldados de infantaria de toda a Grécia. Quando soava a a trombeta da guerra, o exército de Esparta, composto por cidadãos-soldados fortemente armados, os hoplitas, avançava no campo de batalha. O hoplita ia armado de lança e de um pesadíssimo sabre. Usava elmo, couraça e escarcela e protegia-se por detrás de um grande escudo de bronze. Um espartano que fugisse perante o inimigo ficava desonrado para sempre. Do mesmo modo, aquele que regressasse vivo depois de uma derrota ficava exposto ao desprezo geral.

4. a mulher
 Os espartanos deviam casar-se com mulheres capazes de dar à luz crianças robustas. Para preparar as raparigas para o seu papel de mães, também se lhes dava uma educação severa, destinada a endurecê-las. Participavam igualmente em competições desportivas. Os atenienses sorriam da falta de feminilidade das mulheres espartanas. Quando um filho partia para o combate, a mãe estendia-lhe o escudo dizendo: «Regressa ou com o escudo ou em cima dele!». Era o mesmo que dizer: «Vence ou morre!» Um dia, um mensageiro veio dizer a uma espartana que o seu filho tinha morrido em combate. As primeiras palavras da mãe foram: «Alcançou ele a vitória?» Em face da resposta afirmativa, prosseguiu: «Então, sinto-me feliz!» Em Esparta a mulher tinha uma vida mais livre do que em todas as outras polei gregas.

Carl Grimberg, História Universal, vol.2 (adaptado)


Curiosidades:

ü   Os Espartanos gostavam de se referir ao seu território como Lacónia ou Lacedemónia. Era daí que vinha a letra "lambda" nos seus escudos (Λ / λ) 
 ü   Os homens espartanos sós estavam autorizados a viver com as esposas depois dos 30 anos. Eles podiam casar-se antes (ou viver juntos), mas como todos os homens eram obrigados a viver nas tendas militares até aos 30, os casais que se tivessem casado antes eram obrigados a viver separados.
ü   Os reis de Esparta estavam sujeitos às mesmas leis que todos os espartanos. Eles podiam ser castigados pelo modo como chefiaram o exército em combate.
 ü   As mulheres espartanas eram famosas pela sua beleza. Também eram mais altas do que a maioria das gregas (talvez porque não fossem preteridas na alimentação em favor dos rapazes)
 ü   As mulheres espartanas eram as mais livres de toda a Grécia (e do mundo?) porque: 
·   Recebiam uma educação artística e atlética.
·   Eram encorajadas a desenvolver as suas capacidades mentais.
·   Possuíam mais de um terço das terras de Esparta.
·   Havia menor diferença de idades entre maridos e esposas do que entre os casais atenienses, por exemplo.
·   A mulher casava com o marido que quisesse: os pais nada lhe impunham.
·   Como os homens raramente estavam em casa, as mulheres é que eram responsáveis por todos os assuntos (fora os militares)
·   Quando havia guerra, eram as mulheres que governavam a pólis.

·   As mulheres cuidavam dos filhos até aos 7 anos. Os pais desempenhavam um papel pouco importante, ou mesmo nenhum.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Numeração Romana

A cultura portuguesa é herdeira da cultura romana. A língua que falamos é a mais viva prova desse facto, mas existem numerosos outros aspectos nos quais nem reparamos, mas que apontam para a nossa filiação latina. É o caso da numeração romana que a gramática exige que usemos, por exemplo, quando escrevemos os séculos - ninguém pode estranhar que eu escreva que estamos no século XXI!

A numeração utiliza, apenas, sete símbolos que, organizados segundo algumas regras, permitem numerar quase tudo. Cada um desses símbolos (letras maiúsculas) corresponde a um valor numérico

Símbolos e valores numéricos
I - 1
V - 5
X - 10
L - 50
C - 100
D - 500
M - 1000

Principais regras:
  • Nunca se pode escrever o mesmo símbolo mais do que três vezes seguidas. Quando se repetem, duplica ou triplica o valor. Os símbolos V, L, D nunca se repetem e percebe-se porquê: o dobro de cada um tem símbolo próprio.

Exemplos:I = 1 ; II = 2 ; III = 3
X = 10 ; XX = 20 ; XXX = 30
  • Símbolo de menor valor colocado à esquerda de um símbolo de valor superior obriga a subtrair. Se colocado à direita obriga a somar.

Exemplos:IV = 4 (1 - 5) ; XL = 40 (10 - 50) ; CD = 400 (100 - 500)
VI = 6 (5+1) ; LX = 60 (50+10) ; DC = 600 (500+100)

Atenção:

I só se coloca à esquerda de V ou de X (por exemplo, se quiseres escrever 999 tem mesmo que ser: CMXCIX)
X só se coloca à esquerda de L ou de C;
C só se coloca à esquerda de D ou de M.

Existem mais algumas regras que podes consultar aqui (clica no sublinhado), mas estas são aquelas que mais vezes usamos.





quarta-feira, 23 de setembro de 2015

A QUEDA DO IMPÉRIO ROMANO E AS INVASÕES BÁRBARAS


O imperador Teodósio (379-395), que foi um imperador de origem ibérica, dividiu definitivamente o Império Romano em dois, deixando cada parte em herança a um filho seu:

O Império Romano do Ocidente, entregue a Honório e o Império Romano do Oriente, entregue a Arcádio.




O Império, porém, estava em desordem. Povos bárbaros (ou seja: não romanos) não cessam de fazer pressão sobre as fronteiras, tentando entrar. No final do séc. IV, Roma já não foi capaz de resistir às investidas destes povos que, por sua vez, eram alvo dos ataques dos HUNOS (povo bárbaro de origem mongol). No mapa, além da divisão do Império, podes observar bem o percurso de invasão de alguns desses povos.

A maior parte dos BÁRBAROS são povos GERMÂNICOS:
Visigodos; Ostrogodos; Suevos; Alanos; Vândalos; Alamanos; Burgúndios; Anglos e Saxões são os povos que mais contribuíram para o fim do Império Romano que cairá, definitivamente, em 476.

....................................
..................Visigodos.....................................................................Ostrogodos

.................. ..................
..................Vândalos............................................................................................. Suevos





.................. ..................
.................. Alanos ..................................................................................................... Francos






Os Hunos usavam estribo e sela de montar e isso permitia-lhes cavalgar com muito mais conforto e, mais ainda, porem-se de pé sobre o cavalo e usarem o arco e a flecha nos combates a cavalo. Ficaram célebres por serem capazes de montar de costas, o que lhes permitia sair do local de combate ao mesmo tempo que continuavam a disparar setas sobre os adversários. Os Hunos eram temidíssimos e as populações escondiam-se ou fugiam ao ouvirem o grito “lá vêm os Hunos!” Diz a lenda que, nem sequer para dormir, desmontavam dos seus cavalos. Chefiados por Átila, os Hunos foram o terror da Europa durante a primeira metade do séc. V.

São os Hunos que, iniciando a sua expansão, empurram os povos germânicos a entrarem nos Império Romano, originando a sua queda.

domingo, 25 de maio de 2014

O URBANISMO ROMANO



ANTES DE MAIS...

Os romanos tinham três palavras para designar "cidade". Para aqui, interessam-nos duas: CIVITAS (povoação grande) e URBS (conjunto dos habitantes da cidade; a própria cidade). Pensa na quantidade de palavras portuguesas que nasceram de cada uma dessas palavras (étimos) latinas!
Quem vive na cidade partilha um espaço que deve ser organizado e obedece a regras que permitem a vida em comum. O espaço da cidade romana era organizado e planificado, de modo a facilitar a vida dos cidadãos.

Apresento, aqui, a planta-tipo de uma cidade romana: não corresponde a nenhuma urbe em especial, mas respeita o conjunto de regras que o urbanismo romano foi desenvolvendo ao longo de mil anos de História.
Como se pode observar, a urbs está rodeada de uma muralha (com torres de vigia) e tem planta rectangular. A cidade divide-se em módulos, separados entre si por ruas paralelas de dimensões iguais. Duas ruas, no entanto, têm dimensões maiores: o Cardo (sentido N-S) e o Decumanus (sentido E-O), desembocando cada uma delas nas quatro portas da cidade. No local em que estas duas ruas se cruzam fica o fórum e o mercado, ou seja: os espaços e edifícios mais importantes.

As dimensões dos módulos em que se divide a cidade determinam o tamanho dos espaços públicos. Assim, por exemplo, o mercado corresponde a um módulo. Apesar destas regras, ao longo do tempo surgiram construções tão grandes que as contrariam, sobretudo em Roma.

A monumentalidade e a utilidade são as características essenciais das construções romanas. Ficam aqui alguns exemplos disso .



.............

Corte das termas de Caracala (Roma)

Como podes ver, as termas são espaços onde os romanos podem encontrar tudo quanto precisam: escritórios, lojas, bibliotecas, restaurantes e, obviamente, também as piscinas para os três banhos: “caldarium” (banho quente); “tepidarium” (banho morno, tépido) e “frigidarium” (banho frio). Naturalmente, não podiam faltar as salas para as massagens! Sabiam viver muito bem, estes romanos!

Termas romanas de Bath (Inglaterra)
Ponte romana de Chaves
A ponte romana de Chaves foi mandada construir pelo imperador Trajano, no final do séc. I / início do séc. II. Mede cerca de 150 m e tem 12 arcos.







Arco de Sétimo Severo.


Foi construído em 203 para comemorar o décimo aniversário da subida ao trono deste imperador. Os baixos-relevos contam as suas vitórias na Pártia (Pérsia: Irão e Iraque) e na Arábia. O texto da dedicatória destinava-se aos filhos do imperador, Caracala e Geta, mas quando Caracala se tornou imperador mandou apagar o nome do irmão.






Coluna de Trajano
. Foi erigida em Roma em 113, para celebrar a vitória do imperador na Dácia. Mede 30m de altura e no cimo foi colocada uma estátua enorme do imperador. Dentro do pedestal em que assenta a coluna estão as cinzas do próprio Trajano.

No pormenor podem ver-se algumas bandas dos relevos. Cada uma delas mede cerca de 1,30m.

Na página maquettes historiques podes divertir-te a ver reconstituições de Roma antiga. É uma página em francês, mas as imagens são magníficas.

O MODO DE VIDA EM ROMA

1 – HABITAÇÃO

1.1 - Domus
As pessoas poderosas de Roma viviam em casas particulares, as domus.




Na domus, à excepção do átrio (atrium) cada divisão tinha uma função específica. Assim:

A entrada – fauces – dá acesso a um pequeno espaço, o vestibulum, atrás do qual se abre o atrium que é o espaço central da domus. A sua abertura superior (compluvium) permitia a entrada da água da chuva que caía num pequeno tanque (impluvium), ligado a uma cisterna destinada a armazenar essa água. Num recanto do atrium fica o lararium , altar destinado ao culto doméstico.

O atrium fornece a luz necessária às divisões que o circundam, nomeadamente, o triclinium utilizado para as refeições do dia-a-dia e o tablinum, escritório do dono da casa, utilizado como sala de reuniões com pessoas que não fossem da família.

Um pequeno corredor liga o atrium ao peristylium – segundo pátio interior. Como o nome indica, estava rodeado de colunas e era embelezado com arbustos, flores, estátuas, etc. Junto ao peristilo estão os cubicula (cubiculum: quarto de dormir), a exedra (sala destinada aos banquetes) e também os banhos, apenas nas casas mais ricas. Muitas casas ainda tinham um segundo jardim.

Como já deves ter reparado, a casa romana está toda voltada para o interior. A entrada de serviço fazia-se pelo posticum. À entrada de algumas domus havia tabernae (sing.: taberna) que eram lojas do dono da casa que aproveitava para, nelas, vender os produtos das suas propriedades rurais.

O mobiliário romano era escasso, mas isso era compensado pela riqueza dos materiais com que a casa era construída e decorada: chão de mosaico (aquecido por um sistema de aquecimento central) paredes de mármore ou decoradas com belas pinturas.


1.2 – Insulae

A maioria dos romanos habitava em apartamentos arrendados (cenacula) em prédios de habitação: as insulae. Como podes ver pela imagem, o aspecto exterior não era nada mau, mas…


Varandas e janelas sem vidros arejavam o interior; não havia chaminé nem cozinha (cozinhava-se em fogareiros e os moradores aqueciam-se com braseiras); não existia água nos andares (e alguns destes prédios chegavam a ter sete andares!) e, naturalmente, os mais pobres sujeitavam-se a morar nos andares de cima. O preço da renda subia constantemente. O rés-do-chão de cada insula era ocupado por lojas, também arrendadas pelo proprietário.

Pelas características destas habitações, o perigo de incêndio era constante, para já não falar nas doenças provocadas pela falta de higiene.

Roma: da Monarquia à República

Roma foi uma monarquia desde a sua fundação por Rómulo (em 753 a.C., segundo a lenda). Em data incerta, porém, o território romano foi invadido pelos etruscos, povo vizinho, cuja civilização era notável para o tempo, mas cujos reis exerceram uma verdadeira tirania sobre os Romanos que sempre os consideraram estrangeiros, durante os cerca de 100 anos que durou o seu domínio. Sobre o último desses reis podes ler o texto que se segue, baseado nas palavras de Tito Lívio, importante historiador romano do séc. I a.C.


Tarquínio (1), o Soberbo, segundo Tito Lívio

“O filho de Tarquínio, o Velho, casara-se com a ambiciosa Túlia, filha de Sérvio Túlio. Impaciente por suceder a Sérvio, [Tarquínio] procurou rodear-se de senadores (2), seduzindo uns e comprando outros. Quando o momento lhe pareceu propício, correu ao fórum (3) com os seus guarda-costas, entrou na Cúria (2), sentou-se no trono real e ordenou que se convocassem os senadores que acorreram, temerosos. Quando Sérvio chegou, furioso, Tarquínio agarrou-o e atirou-o pela escada abaixo e depois mandou os seus guardas assassinarem-no. Para cúmulo dos horrores, Túlia, que chegava de carro, saudou primeiro o seu marido com o título de rei e depois, encontrando no caminho o corpo de seu pai, esmagou-o com o carro, salpicando-se com o seu sangue. Por causa disso, a rua ficou a chamar-se Via Celerada.

Foi assim que começou o reinado de Tarquínio, o jovem. Chegado ao trono pela violência, governou pelo medo. Recusou-se sempre a consultar o Senado (1) ou o povo para administrar o Estado, para declarar a guerra ou decidir a paz e assinar tratados. Chamando a si o papel de juiz, mandou exilar ou matar muitas pessoas que lhe desagradavam ou às quais queria confiscar a fortuna. Roma, aterrorizada, chamava-lhe, secretamente, o Soberbo, quer dizer, o orgulhoso.”
(Versão livre minha)


(1) Tarquínio, o Soberbo, foi o último rei de Roma. Os seus antecessores foram: Tarquínio, o Velho (seu pai) e Sérvio Túlio (seu sogro). O filho de Tarquínio, o Soberbo, depois de ter brutalizado a esposa de um oficial que estava em campanha, teve de fugir perante a cólera do povo de Roma. A revolta dos romanos estendeu-se ao próprio rei a quem expulsou, instalando a república. Isto aconteceu no ano de 509 a.C.

(2) Senadores são os membros do Senado que é uma assembleia constituída por antigos magistrados. Os senadores eram, por isso, pessoas mais velhas e sensatas e a sua opinião era sempre tida em conta. O Senado reunia-se num edifício próximo do forum, chamado a Cúria. Os senadores davam a sua opinião depois de o presidente lhes passar a palavra e falavam do seu lugar. Depois votava-se. A decisão do Senado (ou melhor, o conselho) era o senatus-consultae.

(3) O Forum era um local de comércio mas, acima de tudo, era o centro da vida política e religiosa. Lá estavam os principais espaços ou edifícios políticos, mas também importantes templos e tribunais (basílica), como podes constatar, observando a planta que se segue. Nota: na basílica, além de julgamentos, fazia-se comércio e realizavam-se reuniões políticas





Para que a observação seja completa é preciso dizer que o Comiticum era um espaço de reunião dos Comícios que eram assembleias populares de grande importância, sobretudo durante a República. A Cloaca máxima era, como o nome indica, a principal via de escoamento dos esgotos de Roma, em direcção ao rio Tibre. Curiosamente, os romanos devem-na aos reis etruscos.




Depois de expulsarem o último rei, os romanos nunca mais quiseram ouvir falar em monarquia. Alguém é capaz de dizer porquê? Todas as explicações são bem-vindas à caixa de comentários!

segunda-feira, 24 de março de 2014

A ARTE GREGA: ESCULTURA

Desta vez não quero dizer nada, a não ser sugerir que vos deixeis deslumbrar pela capacidade sublime que os gregos antigos tinham de representar a figura humana. Aguardo que me digais tudo o que estas imagens vos sugerem.